Enxerto

Enxerto

Enxertar significa inserir um botão ou ramo da mesma variedade ou semelhante em uma planta selvagem, o que dá flores ou frutos infrutíferos, que, alimentando-se da seiva do selvagem, desenvolve ramos e folhas e com o tempo produz flores e frutos dignos de mérito. Existem muitas espécies de plantas, principalmente as lenhosas, que não podem ser multiplicadas por estacas ou por estratificação porque têm muita dificuldade em emitir raízes ou demoram muito para se desenvolver ou por outro motivo e, portanto, não é conveniente aplicar o referido significa propagação, então enxerto terá que ser usado. O enxerto é o ramo ou botão inserido. Dos tipos de enxerto são muitos: o enxerto de botão ou escudo, indicado para plantas jovens cuja casca é fina e facilmente soldável, é o mais utilizado e o mais simples de colocar em prática. Esta enxerto consiste em fazer uma incisão no caule ou num ramo da planta silvestre, ... continua


Artigos sobre: ​​enxerto

continua ..., tendo retirado o ramo de enxerto, denominado copa, um botão com um pedaço de casca é destacado com o enxerto e, mantendo as bordas da casca levantadas com a haste do enxerto, o botão é introduzido no interior. A incisão é feita e o galho é amarrado com ráfia de modo a envolver completamente a parte gravada. Isso pode ser feito na primavera.

Quando, por outro lado, a planta dá se empenhar eram muito adultas ou se o enxerto de gemas não obteve sucesso, será utilizado o enxerto dividido que, geralmente, é realizado na primavera. A planta é cortada de se empenhar na altura desejada, o caule é partido e a base cortada do ramo de enxerto é introduzida na fenda, de forma que os lábios da casca combinem perfeitamente com os da planta enxertada, neste ponto ela se ligará com ráfia para que o o acoplamento está firmemente encaixado. Existem muitos outros tipos de enxertos semelhantes ao split: o enxerto de Lee que consiste em fazer um corte triangular na planta a ser enxertada onde é introduzida a base do enxerto que deve ser cortada para preencher o corte por dentro . disso praticado. Para enxertar a rosa, camélia e outras plantas de estufa, será utilizado o enxerto inglês para o qual será necessário que o enxerto e a planta a ser enxertada tenham o mesmo diâmetro; para ter maior certeza de sucesso, será utilizado o enxerto inglês aprimorado, nada mais é do que uma modificação do enxerto inglês simples.

O enxerto, seja broto ou ramo, deve provir de planta sã e ter brotos completos; os cortes devem ser feitos com ferros afiados e limpos. Lembre-se sempre que as plantas enxertadas precisam de cuidados contínuos para que o enxerto tenha um desenvolvimento normal.

Na prática agrícola existem muitos tipos de enxertia, algumas bem conhecidas e praticadas, outras ainda por descobrir. Em nossa seção iremos aprofundar todas as técnicas de enxertia, e não apenas aquelas com broto ou copa, como acabamos de descrever algumas linhas acima, mas também aquelas para certos tipos de plantas, como árvores frutíferas, plantas ornamentais e frutas cítricas. Basicamente, no entanto, os enxertos podem ser classificados ou agrupados em apenas duas categorias principais: copa e botão. O rebento seria a porção de um ramo lenhoso ou semilenhoso contendo folhas ou brotos, o botão, por outro lado, é apenas o broto sem ramo. A escolha entre um tipo de enxerto e outro depende exclusivamente do tipo de planta que vai ser enxertada. Geralmente, a enxertia de gemas diz respeito às plantas jovens, com casca facilmente trabalhável e espécies ornamentais, enquanto a enxertia de copas diz respeito às plantas mais adultas, com casca envelhecida e endurecida e árvores de fruto. Os botões e as mudas representam as partes a serem enxertadas em outra planta chamada "porta-enxerto". Este último terá que acomodar o rebento ou botão dentro de uma fenda ou cavidade ou porção de casca aberta no tronco ou caule. O porta-enxerto e o botão ou o porta-enxerto e a copa são os dois principais componentes do enxerto, chamados de "bionti". Todas essas terminologias técnicas serão melhor exploradas nos artigos individuais de nossa seção. Voltando aos vários tipos de enxertia, na prática agrícola existem os enxertos divididos, que se realizam com mudas, e os enxertos de botões. Os enxertos divididos são: divisão total, divisão simples, divisão dupla, coroa, divisão completa e divisão lateral. No enxerto com divisão total, é feito um corte horizontal em toda a superfície do porta-enxerto e, em seguida, um corte vertical. A copa pontiaguda é inserida dentro do corte feito no porta-enxerto, geralmente em uma posição central na superfície do porta-enxerto. Já no enxerto de divisão simples, duas mudas com o mesmo diâmetro são inseridas no corte. Neste caso, as mudas serão colocadas nas extremidades do corte. Já o enxerto de fenda dupla é semelhante ao enxerto de fenda simples, exceto que outro corte oblíquo mais profundo é feito para aumentar o contato da copa com o porta-enxerto. No enxerto de divisão lateral, é feito um corte oblíquo nas laterais do porta-enxerto, onde a copa é inserida. Este enxerto é usado para engrossar plantas que perderam alguns ramos. Na enxertia de copa, o corte é praticado quase nas bordas do porta-enxerto, onde são inseridos mais enxertos que parecem formar uma coroa em torno do próprio porta-enxerto. Na enxertia de divisão total, o porta-enxerto e as mudas têm o mesmo diâmetro e são cortados em forma de U ou V, fazendo com que se encaixem perfeitamente. Os enxertos de gema podem ser em T ou scudetto, T invertido, blindagem dupla, incrustação, frasco, remendo e triângulo. No enxerto em forma de T ou scudetto, a porção do botão e da casca se encaixa perfeitamente no corte em forma de T feito no porta-enxerto. Já no T invertido, é feito um corte reverso, um T invertido, na verdade, onde a gema é inserida. No enxerto de dupla proteção, a gema e uma porção da casca são inseridas dentro do corte, que atua como terceiro componente do enxerto. No enxerto inlay, também denominado de Maiorca, a gema com uma porção de casca, denominada escudo ou scudetto, é inserida em uma incisão que tem o mesmo formato do escudo. No enxerto de apito, são feitos dois cortes horizontais no porta-enxerto, dos quais parte da casca é retirada. No enxerto de remendo, é retirada uma porção retangular da casca na qual será inserida a gema com o mesmo formato. No enxerto triangular, é feito um corte horizontal e, em seguida, é feito um corte triangular na borda do porta-enxerto. Três cunhas serão inseridas dentro desta. A enxertia de gemas pode ser realizada com uma gema dormente e uma vegetativa. A enxertia dormente ocorre no outono, enquanto o enxerto ocorrerá na primavera seguinte. A gema vegetativa é realizada, porém, na primavera, enquanto o enraizamento ocorrerá na mesma estação. As mudas e botões devem ser protegidos de agentes externos e amarrados ao porta-enxerto com aroeira ou ráfia. As ligaduras devem ser verificadas periodicamente e substituídas por atacadores novos e mais resistentes. Se as feridas foram fechadas com massa, esta deve ser substituída periodicamente por massa mais fria. Lembre-se também que os cortes para os enxertos devem ser feitos com lâminas limpas e afiadas. As ferramentas de enxerto também devem ser limpas e desinfetadas antes e depois do uso. Esse cuidado evita a transmissão de doenças graves às plantas enxertadas. Mais detalhes sobre os enxertos, nos artigos de nossa seção.

O que pode acontecer se a técnica de enxerto for levada ao extremo? É possível criar uma árvore especial que produza sozinha 40 tipos diferentes de frutas? O professor de arte da Syracuse University (e entusiasta de jardinagem), Sam Van Aken, conseguiu! Um pomar inteiro está encerrado em um único híbrido: de seus galhos pendem muitos frutos diferentes que amadurecem no verão, de ameixas a damascos, de pêssegos a ameixas. Se na maior parte do ano parece uma árvore normal, a mágica acontece na primavera, no período de floração. Quem o vê fica maravilhado com a incrível variedade de suas cores. Na verdade, pode assumir cores que variam do branco ao roxo, vermelho, rosa. O professor havia adotado em 2008 um pomar, que estava para ser abandonado, em Nova York e começou a estudar os períodos de floração e maturação de várias espécies de plantas. Durante esses estudos, ele teve uma ideia incrível e única: condensar todo o seu pomar em uma única árvore. Assim nasceu a árvore de 40 frutos. No entanto, a ideia também quer ser uma mensagem sobre a importância da biodiversidade e o respeito ao nosso patrimônio natural. Além disso, esta árvore também é uma excelente solução para atender às necessidades alimentares de toda uma família, evitando o desperdício. Uma boa árvore, em muitos aspectos!


Vídeo: COMO ENXERTAR MANGA DA FORMA MAIS FÁCIL DO MUNDO!!!